Mamilos são polêmicos

Na primeira vez que vi esse vídeo achei que o menino era non sense. Onde já se viu mamilos serem polêmicos hoje em dia? Tantos anos de transmissão de carnaval, tantos peitos de fora nos filmes, nas novelas, no programa de domingo a tarde pra família toda assistir…

Pois bem, nessa semana o jornal Pioneiro, do Grupo RBS, publicou uma matéria sobre regras de etiqueta nos shoppings de Caxias do Sul. Entre elas, uma regra fez dos nossos mamilos um assunto muito polêmico:

Quem já não viu uma mamãe oferecendo o peito a um bebê na praça de alimentação ou em um banco nos corredores? Para quem não sabe, os três principais shoppings de Caxias do Sul — Iguatemi, Estação San Pelegrino e Prataviera — não permitem essa prática, recomendando às lactantes que usem os fraldários.”

Peitos são peitos, mamilos são mamilos, não interessa se você os usa pra alimentar seus filhos. Não importa que a Organização Mundial da Saúde indique aleitamento exclusivo até os seis meses de idade, e que as crianças devam continuar sendo amamentadas até, pelo menos, dois anos de idade. Não, isso não interessa. No shopping, amamentar nem pensar! Imagine só, deixar que um ato tão natural quanto a amamentação aconteça aos olhos de todos? Um bebê se alimentar no seio da mãe é um absurdo sem tamanho pros grandes gestores das redes de shoppings caxienses. Opa, desculpem, não foi isso que eles disseram: poder pode, bem escondidinha no fraldário junto com o cheirinho e as bactérias de todos os dejetos dos bebês. Afinal, quem aqui não come no banheiro, né gente?

Tá cada vez mais difícil ser mamífero. Tá cada vez mais difícil ser bebê e ser criança. É tanto não pode: não pode nem comer em paz, curtir a mamãe, curtir o leitinho, aquele cheirinho de vida que sai direto do peito da mamãe. Ah! O peito da mamãe! Aquele que aparece na hora certa, quando os bebês acham que estão, literalmente, morrendo de fome.

Downloads1
Atitudes como essa contribuem para um problema de saúde pública, passam a mensagem de que amamentar não é natural, amamentar pode ser constrangedor.  Fazer isso é dizer que ninguém é obrigado a ver o seu filho com a boca no seu peito. É pornografia! Fazer isso é privar o bebê de receber na hora que deseja o seu alimento. Não existe “espera um pouquinho que a mamãe vai se esconder pra te alimentar” quando se trata de um bebê. Apesar de todas as semelhanças maravilhosas que temos com os outros mamíferos, existe uma diferença gritante, que é a dor e a graça do ser humano: somos seres sociais. Privar a amamentação é excluir a mãe e o bebê do convívio social. Essa é a razão pras mamadeiras fazerem tanto sucesso, afinal elas não tem mamilos. Elas não ofendem ninguém, elas não fazem parte do nosso corpo, elas não tem alma, não estabelecem conexão, nem o amor. Ao que tudo indica, pra ser aceito socialmente é preciso reprimir o amor. Melhor cortar logo pela raiz: acabem logo com o amor de mãe! Acabem logo com a amamentação, com os nascimentos!

Desculpa senhor gestor de shopping se estou parecendo radical demais, mas lá no fundo é isso que você quer dizer, quando por trás da sua grande e larga poltrona preta “convida” uma mãe a se retirar dos corredores por OUSAR alimentar seu bebê. Com toda licença, o senhor é um criminoso social. Boicotar a amamentação é contribuir para um problema de saúde pública que há tantos anos tentamos combater. Mas quem se importa, não é? A única coisa que importa é que amamentar envolve mamilos e eles são polêmicos.

Anúncios